Hoje vou falar um pouco dessa escritora irlandesa, que já vendeu mais de 22 milhões de exemplares no mundo todo e foram traduzidos para 32 idiomas.
Autora de vários best sellers do gênero Chick Lit, os seus livros exploram o universo feminino com muito humor e leveza. Seus temas centrais no entanto levam a tona muitos assuntos delicados, tais como luto, depressão pós-parto e violência doméstica. As personagens criadas pela escritora possuem perfis realistas, que permitem com que o leitor se identifique com a trajetória de vida narrada.

Li os três primeiros lançados no Brasil, Melancia, Sushi e Férias e realmente valem a pena. São histórias que prendem nossa atenção do início ao fim.

Melancia:

mk

A protagonista Claire tem 29 anos, uma filha recém-nascida e um marido que acabou de confessar o seu caso de mais de seis meses com a vizinha também casada. Claire se resume a um coração partido, um corpo inteiramente redondo, aparentando uma melancia, e muita depressão, bebedeira e choro. Mas ela decide avaliar os prós e contras de um casamento desfeito depois de três anos e quando começa a se sentir melhor, o ex-marido reaparece para convencê-la a assumir a culpa por tê-lo jogado nos braços de outra. Claire vai recebê-lo, no entanto reservará uma bela surpresa para o ex.

Sushi:

mk2

Lisa Edwards, a durona e sofisticada editora de revistas, acha que sua vida acabou, quando descobre que seu novo emprego “fabuloso” não passa de uma ordem de deportação para a Irlanda, com a missão de lançar a revista Garota. Se não fosse pela presença de seu novo colírio, isto é, chefe, Jack Devine, um sujeito desgrenhado e fechadão, ela seria capaz de girar nos calcanhares de seus sapatos Prada e tomar o primeiro avião de volta. Mas Lisa é Lisa. “Fracasso” é uma palavra que não consta do seu vocabulário. Mas ela bem que gostaria que constasse, dessa vez.

Férias:

mk1

Rachel Walsh, é irmã de Claire e, após perder o emprego em Nova York, ser deixada pelo namorado Luke Costello e quase morrer de overdose, é obrigada pelo pai a se internar em uma clínica para dependentes químicos na Irlanda.
Pensando que iria para um SPA curtir férias, Rachel se revolta quando descobre que está internada em um centro de reabilitação, e se recusa a admitir que tem sérios problemas, afinal, “não era magra o bastante para ser uma toxicômana”. Ela precisará atravessar uma intensa jornada até reconhecer seus erros e reconquistar as pessoas que mais ama.

Espero que leiam meninas, vale a pena.

Beijos

Comentários

comentários